A Arte Magica de Conjurar

September 9, 2017 | Author: Poligono Hidrolise | Category: Spirit, Electricity, Religion And Belief, Nature, Philosophical Science
Share Embed Donate


Short Description

Download A Arte Magica de Conjurar...

Description

© Todos os direitos reservados.

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados.

Introdução Antes de iniciar as conjurações precisamos saber como realizá-las. É necessária uma série de preparativos para que as conjurações possam surtir o efeito desejado. Para uma melhor compreensão leia com atenção o texto que segue: Conjurar: Conjurar é o ato de evocar um espírito e coloca-lo sob obediência para que responda suas perguntas e faça suas vontades. Estes espíritos podem ser das seguintes classes: Anjos, Demônios, Elementais ou espíritos de pessoas falecidas. Banhos: No dia da conjuração o magista deve tomar um banho especial. A água do banho deve ser previamente consagrada, o sal grosso que se usa na água do banho também deve ser previamente consagrado. Alguns rituais já incluem a oração que deve ser feita na hora do banho. Outros deixam a critério do Magista que deve contar com o seu bom senso. Os mais usados são os seguintes: Ao entrar no banho: Salmos: 26, 13, 38, 68, 105. Ao banhar-se com o líquido: Salmos: 50 e 23. Ao sair do banho: Salmos: 142, 4, 137, 125,138. Ao jogar o sal previamente consagrado na água (3 punhados com as pontas dos dedos) deve recitar-se em voz alta e clara: Ismael,

Imamon,

Amason,

Inierobimeum,

Danayon,

Zaton,

Satimon, Vagran, Coriston, Zagueron, Momeston, Saniteon, Mamon, Zarinazon, Felicion, Sermion, Metron.

http://www.cursosdemagia.com.br

2

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados. Os Instrumentos Mágickos Ao fazer uma evocação o magista deve estar preparado e protegido pelos instrumentos mágickos, que devem ser previamente exorcizados, consagrados, abençoados e fumigados. Os principais instrumentos que o Magista deve ter são: •

A baqueta;



A espada ou punhal;



O hexagrama de Salomão;



O Pentagrama;



O Anel de Salomão;



A Túnica. Além disso, o Magista também deve ter preparado: •

O Perfume Sagrado,



O Incenso;



O Óleo sagrado com o qual irá ungir o altar e todos os instrumentos;



Água benta;

É imprescindível também que o mago esteja protegido dentro do Círculo Mágicko de onde não deve sair até que o espírito seja despedido. É também de suma importância ter consigo o Selo do Espírito que se vai evocar. Este deve ser colocado dentro do Triângulo de Manifestação, onde o espírito estará preso e de onde não pode sair para atacar o mago e qualquer outra pessoa ou criatura. Estes são os principais instrumentos, mas existem outros que podem ser usados como proteção, por exemplo: O Disco de Salomão, A Arca de Bronze de Salomão – que serve para aprisionar os espíritos rebeldes; Um Cristal ou Pedra Preciosa que também pode exercer a http://www.cursosdemagia.com.br

3

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados. mesma função da Arca de Bronze. Além disso há também conjurações que exigem outros acessórios, como Sal, Cinza, Amuletos Especiais e oferendas. A Baqueta Mágica: A baqueta (ou cajado), o mais importante dos instrumentos. Sendo essencialmente um símbolo fálico, o bastão representa a presença e o poder do eu criador e da vontade manifesta do magista. O bastão deve assim ser reto e poderoso, uma figura digna de sua força divina. Representa ainda o equilíbrio mágico, pois corresponde, na arvore da vida ao pilar do meio. Portanto ela é o caminho que conduz diretamente do reino a coroa e vice versa. Ou seja, através dela é que a energia descerá do céu até a terra, pelo fio condutor de cobre que a varinha deveria ter segundo a tradição, como é exposto em algumas clavículas de Salomão; o cobre aqui representaria o amor que une os dois

pólos

imantados

e

conduz

a

energia,

pois

é

um

metal

correspondente a Vênus: a amante. Além disto, seria desnecessário dizer que a baqueta é essencialmente dupla assim, tal como a eletricidade tem nos circuitos seu veiculo de atuação a baqueta seria então este veiculo que corresponde ao transmissor da ordem do agente para o objeto.

Método de Fabricação da Baqueta Mágicka Tome o galho da árvore escolhida, (sabugueiro, macieira, marmeleiro, etc.) Os antigos grimórios nos instruem a fazer de Aveleira, mas esta é uma árvore rara em nosso pais, por isso escolhemos outras que tem propriedades similares. O Eucalipto também é uma boa madeira. O galho deve ter em torno de 40 cm de comprimento com um http://www.cursosdemagia.com.br

4

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados. diâmetro aproximado em torno de 1,5 centímetros. Observar um galho o mais retilíneo possível. Você precisará do seguinte material: •

Fio de Cobre.



Vela Branca.



Um imã preferencialmente pequeno e pontiagudo de diâmetro inferior ao da varinha.



Um pequeno cristal de quartzo, do tamanho destes usados em pingentes para pendurar no pescoço de diâmetro inferior ao da varinha.



Uma pequena faquinha pontuda.



Uma furadeira com a broca bem pequena.

Procedimentos: Após colher o galho raspe a casca do mesmo e deixe-o secar por um dia. Dia seguinte fure com a broca de um lado enfie o pequeno imã e de outro o cristal, faça 7 furos na extensão da varinha e passe o fio de cobre pelos furos dando algumas voltas tanto de um lado como de outro de modo que o fio ajude a fixar tanto o imã como o cristal. Acenda a vela e pingue cera quente nos 7 furos de extensão da varinha. Esquente a faquinha no fogo e escreva na varinha com a ponta quente (se tiver um pirógrafo, serve) de um lado: Per Alpha et Omega; do outro lado: Tetragrammaton, a seguir faça a consagração de objetos ritualísticos e a varinha estará pronta para o uso. A Espada Mágica A espada mágica é um instrumento de defesa do operador, a sua ponta metálica, é o que lhe confere esta qualidade. Um tridente, como usava Paracelso ou outro objeto qualquer com uma ponta metálica pode substituir a Espada Mágica. Os conglomerados fluídicos formados pela http://www.cursosdemagia.com.br

5

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados. união de uma potência astral atuando como ser etéreo com os fluidos vitais do ambiente, tem uma analogia muito acentuada com os conglomerados elétricos. O astral só pode atuar sobre o físico por meio dos fluidos da vida física, ou seja, eletricidade vital. Assim, quando o magista percebe que a potência astral que tem diante de si quer causarlhe algum maunão resta outro recurso senão apresentar-lhe ponta de sua espada. A ponta metálica extrai instantaneamente os fluidos astroelétricos que formavam o ser dotado de más intenções, o qual é imediatamente privado de todos os seus meios de ação sobre o plano físico.

O Círculo Mágico O LEMEGETON nos trás O circulo em sua forma tradicional como utilizado na Teurgia Qabalistica desde os primórdios do velho aeon. Este é rodeado de quatro pentagramas (contendo o tetragramaton), nos quais em cada um uma vela irá arder durante o ritual O tamanho é importante no tocante de ter-se liberdade o suficiente de movimentação. A serpente enroscada só é mostrada em alguns casos, os nomes hebraicos na maioria das vezes são simplesmente escritos em forma espiralada entre os dois círculos. Devemos lembrar que, ao contrario do português, o Hebraico e sempre da direita para esquerda. Estes nomes são os nomes divinos ou de Anjos e Arcanjos identificados pelos cabalistas como pertencentes a cada uma das nove primeiras Sephiroth ou emanações divinas. As pequenas cruzes de Malta são usadas para marcar separação. A Tradução para o português corrente começando da cabeça da serpente é: Ehyeh Kether Metatron Chaioth Ha-Qadehs Rashith Ha-Galgalim lah Chokmah Ratziel Auphanim Masloth Iehovah Eolhim Binah Tzaphquiel Aralim Shabbathai El Chesed Tzadquiel Chaschmalim Tzedeq http://www.cursosdemagia.com.br

6

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados. Elohim Gibor Geburah Kamael Seraphim Madim Iehovah Eloah Va-Daath Tiphereth Raphael Malakim Shemesh Iehovah Tzabaoth Netzach Haniel Elohim Nogah Elohim Tzabaoth Hod Michael Beni Elohim Kokav Shaddai El Chai lesod Gabriel Cherubim Levanah Que fique claro para o adepto que estes mesmos nomes não constituem um dogma imutável. Pode-se escolher livremente um ou vários nomes com os quais o Magista tenha especial afeição, desde que as cores respectivas e o simbolismo básico no que se refere à distribuição

destes

nomes

no

círculo

sejam

convenientemente

respeitados. De fato, dentro do circulo o magista é Deus Absoluto e único. O circulo é usado para afirmar e caracterizar a natureza da obra a ser executada e é por excelência o campo de atuação da vontade do magista.* O circulo é, portanto uma representação simbólica do universo, ao traçar o círculo, o adepto traça o seu espaço infinito, dentro do próprio infinito, o todo dentro de tudo em sua manifestação mais obvia.

http://www.cursosdemagia.com.br

7

E.I.E. Caminhos da Tradição - © Todos os direitos reservados.

http://www.cursosdemagia.com.br

8

View more...

Comments

Copyright © 2017 KUPDF Inc.
SUPPORT KUPDF Sitemap